Become a GCP member!
Menu Language Search

Encontros do Grupo de Trabalho Brasil (GTB) e Conselho Consultivo Nacional (CCN)

Na última quinzena de agosto, GTB e CCN se reuniram em Brasília para dar continuidade às discussões e atividades de cada grupo.  

No GTB, Pedro Ronca e Eduardo Matavelli, da Plataforma Brasil da GCP, atualizaram os membros do grupo a respeito da institucionalização do CCN e da Plataforma, nova proposta de valor e resultados das atividades em andamento. Novos caminhos e a busca por fundos também foram pauta: duas Iniciativas de Membros já estão em curso – Manejo do Mato no Espírito Santo e Uso Responsável de Agroquímicos – e outras devem ser aprovadas e iniciadas em breve.  

Samara Batista, da Cooabriel, fez um depoimento sobre a experiência de sua equipe com a implementação do CSC App e SIG: “O app é uma ferramenta fantástica para auxiliar e direcionar os produtores, está nos ajudando a diagnosticar nossa real situação e mostrando o que devemos fazer. O SIG é fundamental neste processo, sem ele as informações e ações ficam soltas”. Samara também comentou sobre a importância de treinar a equipe e compartilhou alguns relatórios, resultados e metas.  

Depois, atendendo a pedidos do grupo, dois convidados especiais – Ariovaldo da Silva Junior (doutor em neurociência) e Rafael Silva (engenheiro agrônomo), especialistas em formas eficientes de ensino para cafeicultores – conduziram uma aula dialogada, baseada no método de Aprendizagem Baseada em Problemas (ABP).  Desta forma, o grupo pôde entender como utilizá-lo como ferramenta em Modelos de Assistência Técnica Coletiva (MATC). 

Já na reunião do CCN, Carlos Brando foi apresentado como presidente do Conselho da GCP, o que irá fortalecer ainda mais a atual cooperação entre as Plataformas Sustentáveis do Café. Ele e Pedro Ronca, Coordenador do Programa Brasil, apresentaram a nova Proposta de Valor da GCP, além de ações locais e medição de resultados rumo à criação de regiões cafeeiras sustentáveis. 

Também foram discutidos os próximos passos para a institucionalização da plataforma, de forma a possibilitar o acesso a fundos nacionais e internacionais para novos projetos, reforçando o caráter local da Plataforma Brasil e perenizando sua atuação em sustentabilidade.